quarta-feira, 12 de março de 2008

Mônica #14 | Bizarro Mônica

Turma da Mônica encontra Superman. Ou melhor, sua versão bizarra.
Magali é Agnes, garota-magricela-problemática. Enquanto a heroína é compulsiva por comida, esta é por remédios. Loira, alta, de cabelos lisos.
Sofia, carrancuda, é a arquiinimiga natural da Mônica, a garota mais braba da Turma. Além do tamanho do cinto, as duas compartilham cabelos de bananas, sendo a de Sofia na sua cor natural e com cachos. Enquanto Mônica ficou meiga e compreensível, sua versão-estranha é malvada desde os primeiros traços. Com eterno sorriso invertido na face, não precisa ouvir palavrões para usar violência e mostrar quem manda no pedaço.
Curiosamente, a primeira a aparecer não é versão-bizarra de nenhum dos personagens principais. Trata-se de Penha. Seu vestido, pose e importância a coloca como "líder" desse bando, e era de se esperar que seu contrabalanço fosse justamente a garota que nomeia a Turma. Não é. É o inverso de Denise. Nem tão "inverso" assim, na verdade. Ambas são garotas "comuns": não tem a super-força ou nenhuma outra característica esteriotipada; são personagem simples, banais. É justamente em sua personalidade, inteligência e capacidade de raciocínio que brilha Denise. E sua nova "amiga-do-espelho" é tão articulada como ela, porém é burra, insensível e arrogante.
Nessa linha, Denise, que também tem sua parcela de fofoqueira e 'barraqueira', tem suas características realçadas para o bem, firmando-se como amiga chave de Magali e Mônica. Alíás, essa escolha mostra a relevância de Denise, que cresce cada vez mais como personagem e como referência, adorada e odiada por tantos.
A história-abre é redonda, cheia de referências, sutilezas e caprichos. Verdadeira mestria em mesclar comédia, suspense e ação, na apresentação de personagens cativantes e memoráveis- daqueles que aparentam mostrar mais suas caras, e desevolverem-se mais ainda.

Em "Regime à Prova de Balas", Tina 'esqueceu os óculos', enquanto Pipa ainda está com as mesmas características da década de 90. Uma história da transição da nova Turma da Tina. Um "q" anos 80 permeia a história

As duas histórias finais apresentam visões totalmente opostas quadrinhos. A primeira, da Turma do Penadinho, é uma pequena pérola. Desenhos ágeis, ritmo e nível de detalhamento impressionantes, acima da média. Muda, que trabalha com uma piada simples, porém com empolgação e paixão.

A última é uma das prevesíveis histórias que Anjinho sente-se rejeitado. Totalmente centrada no roteiro, o texto é a maior atração da história, que tem traços inexpressívos, lembrando o muito dos desenhos e ritmos da década passada: histórias distantes do público, seja pelos termos ("criança descolada", "virtual"), pelas referências nem tanto atuais ("tamagoshis"), pela unidimensionalidade dos fatos, atos e imagens apresentados.

3 comentários:

Renato Mahalo disse...

Adorei essa idéia de fazer resenha das revistas!

[EMERSON ABREU] disse...

Muito legal isso aqui o_O

dá prazer de ler... pena que parou no 1° post :(

Abraaaaaaço!!!!

Stela disse...

E aí, dá pra atualizar ou atualiza sem...? rs

Ah, achei em um sebo o Manual do Cientista do Franjinha e comprei pro Henrique. Achei ainda o "A volta ao mundo em 80 garfadas" e a adaptação do Peter Pan para a turminha.

=)